sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Diálogos mentais.

Ele: - Como você me percebe?

Ela: - Então...

(Você não sabe. Não faz ideia do quanto você se faz presente nos meus dias. As vezes, chega a ser inconveniente. Sabe aquela conversa boba, de dia-a-dia? Eu sempre solto alguma coisa sua, sem querer e quando vejo já falei em você de novo, como meu herói, meu protetor, o chato mais amável do planeta, pela trigésima vez com a minha estagiária. Sabe? Eu te vejo com vários sentidos e o principal é o sentir em expansão. Confesso: temo que não caiba, em mim, o tamanho que você assume. Te vejo enorme! Te vejo palpitar rápido aqui dentro do peito. Vejo você percorrer por mim com uma velocidade assustadora. As vezes, tomo um susto mesmo. Mas, todos os dias me surpreendo. Você não sabe... Não faz ideia de como está sendo bom dormir, de como existe um encaixe mágico nas suas costas e como seu tamanho é o tamanho perfeito para as minhas pernas encaixarem-se certinho nas suas ou do quanto eu sou grata por você, cheio de “homismos e independências”, me ouvir, refletir e escolher montar uma hortinha ou pensar no espelho de encostar, só porque eu queria, porque queria, a hortinha e acho brega o espelho grande de parede. Você não faz ideia de como é bom saber que você está perto, mesmo que trabalhando louco e descabeladamente. É tão bom ouvir depois do café da manhã de sábado você me perguntar se eu não tenho que trabalhar e eu poder responder, sem ser tachada de workholic, que “sim, seria bom trabalhar um pouquinho”. E, depois, desmaiar de cansaço e acordar toda torta e com dores por ter apagado no seu colo, no sofá. Você sequer imagina o quanto eu estou mais próxima de mim, depois que te conheci. Te conhecer, me fez me conhecer muito mais. Mais serena, mais resiliente, mais madura. Eu, menina, te vejo e viro mulher, sem perder a esperança. Ta ai, rapaz! Eu te vejo como a antiga esperança em viver um amor duradouro, calmo e companheiro. E o que você não faz ideia mesmo é que eu tenho vivido este amor todos os dias com a sua presença.)


… eu te acho tão maduro.  

domingo, 31 de julho de 2016

e no peito...

E, mais uma vez, um vazio se faz em meu peito. Eu diante de um colo bom. Que eu julgava ser meu lar. Colori o cinza das paredes com o máximo de cores que eu pude. Deixei meus braços à disposição. Mostrei meu riso, coloquei mesa, fiz banquete. Chorei. Menos que agora. Mas chorei de teimosia, por que doía ser dois. Fui aonde você quis. Conheci gentes muito legais que vai ficar aqui dentro por um tempo indeterminado. Me senti acolhida. Abri as janelas da minha segurança. Escancarei as portas, botei flor em tudo em quanto é lado, principalmente aqui dentro. Colori meu rosto. Coloquei minha melhor roupa. Fiz da minha vida uma ponte... Para você vir e atravessar. Havia amor. Cedo, assim. Rápido, assim. Potencialmente triste, eu já sabia. Não imaginava que dessa maturidade viesse tanta frieza. Eu abri a minha energia. Uma noite e tudo se desfez. Um boneco infantil pegou a faca e arrancou sua orelha, como eu te disse. O que eu não te disse é que tenho fobia (e vergonha de falar isso) de pessoas amputadas. Medo mesmo. Sinto meu corpo gelado só de imaginar. Coisa de criança. Trauma infantil da professora brava e sem uma mão. Coisa de medo de sempre falar algo. Logo hoje, que eu podia ser muito mais. Ir muito mais longe. Sentir como eu sentia falta de sentir. Abriu-se um buraco. Resultado de outros traumas também. Logo este buraco da rejeição que eu tampei cuidadosamente depois de muito, muito tempo. Detesto esse lugar passivo que me permito estar. O buraco não é tão fundo. Ainda existem outros órgãos, outros corpos. Outras dores. Mas hoje estou em um buraco enorme. Enorme que surge no meu peito. Falta em mim o que ficou aí. Com você. 

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

2015

Hoje, me despeço de você, 2015.


Por tantas vezes neste ano desejei que chegasse esta época de inversão de energia para um novo ano. Hoje em especial me despeço de você, 2015, já tendo o feito algumas vezes muito antes deste dezembro presente. Despedi de você quando chorei sem limites ao ver o céu ser adoçado pela rainha dos cupcakes, ao ver minhas energias enfraquecidas por não saber escolher ao certo com quem dividi-la, pelos "quase": planos, amores, satisfações. Quis muito que você terminasse, ali naqueles momentos, 2015. E, de alguma forma, você terminou. Despedi outra vez também quando procurava incessantemente calar aquele aperto e-nor-me no peito que me consumia: o mundo parecia não houver os gritos da minha urgência. Mas, ouviu... Enveredei em trabalho-trabalho-trabalho: 12, 14 ou mesmo 20h. Calava-me! Mas não acolhia. Então, tão logo agora, do cinza se fez cor. Azul... Como o manto de Nossa Senhora e serenou este cansaço imenso de me despedir inúmeras vezes de você, 2015. No reencontro da minha espiritualidade, eu entendi a essência das coisas a mim apresentadas este ano. Tão efêmero e transitório, tal qual minha imagem. Uma frase, no meu corpo pra dizer o que falei o ano inteiro: isso... Isso também passa. 




Um beijo, 2015! Faça-se a alegria, por ora. Nesse começo de correspondência da vida. De encontros mágicos. De sorrisos largos, mãos firmes e beijos, por que não?, longos. 

Chocho, 2015! Você passou. 2016 vai passar também! :*